Nova solução para a dessalinização da água do mar


Gotejamento, Gota De Água, Onda, Molhado, Água

Água potável é um recurso cada vez mais escasso


O acesso ao abastecimento regular de água potável está ficando mais e mais difícil no mundo em desenvolvimento. Em resposta, muitos países se voltaram para o mar buscando transformar seus líquidos em fluidos potáveis, mas os processos existentes de osmose reversa dependem de processos complicados, que são caros e consumidores de energia para funcionar.




Uma coisa boa, engenheiros da Lockheed Martin acabaram de anunciar um filtro para o sal recém-desenvolvido que poderia reduzir os custos com os gastos de energia em 99 por cento no processo de dessalinização.



O processo de osmose reversa funciona com um princípio simples: as moléculas no interior de um líquido irão fluir através de uma membrana semi-permeável das áreas de maior concentração até a menor até que ambos os lados cheguem a um equilíbrio. Mas essa mesma membrana pode atuar como um filtro para as grandes moléculas e íons, se a pressão exterior é aplicada a um lado do sistema. Para a dessalinização, o processo emprega tipicamente uma folha de película fina com uma
membrana de composição (TFC) , que é feita a partir de uma camada de película fina ativa de poliamida empilhada sobre uma camada porosa de polissulfona. O problema com este tipo de membrana é a de que para sua espessura é necessária a presença de grandes quantidades de pressão (e energia) para pressionar a água através dela.



A Perforene Lockheed Martin, por outro lado, foi feita a partir de único átomo de espessura similar as folhas de grafeno. Por essas folhas serem tão finas, a água flui através dela muito mais facilmente do que através de um TFC convencional.  Filtros feitos através do processo Perforene iriam incorporar buracos de filtragem de apenas 100nm de diâmetro - grande o suficiente para permitir que as moléculas de água atravessem, mas pequena o suficiente para capturar sais dissolvidos. Ele parece um pouco com o fio de galinha quando visto sob um microscópio, disse John Stetson, o engenheiro da Lockheed creditado com sua invenção, à Reuters. Mas quilo por quilo a película seria seis mil vezes mais forte que o aço.




"É 500 vezes mais fino do que o melhor filtro no mercado hoje e mil vezes mais forte", explicou
Stetson à Reuters. "A energia e a pressão que é necessária para filtrar o sal é cerca de 100 vezes menor."



A Lockheed já está declaradamente  aumentando os esforços de produção para os filtros - e tentando encontrar uma maneira de mantê-los sem rasgar - embora não existam planos anunciados em quando eles chegaram ao mercado. O amanhã não é breve.



 ( via gizmodo.com.au ) e disclose
Share this article :
 
Reações: 

Postar um comentário

 
Support : Creating Website | Johny Template | Mas Template
Copyright © 2011. Diversão, informação e muito mais... - All Rights Reserved
Template Created by Creating Website Published by Mas Template
Proudly powered by Blogger